O que visitar e fazer em Arouca

Com o começo do seu território a um par de quilómetros do Cimo da Vinha, o concelho de Arouca apresenta argumentos mais do que suficientes para justificar a sua visita desde a Serra da Freita e a sua imensidão idílica de montanha e rios (com fenómenos geológicos de interesse Internacional, como as pedras parideiras) até aldeias serranas, desportos de aventura, património Histórico e uma Gastronomia irresistível. Atualmente, a visita aos Passadiços do Paiva é mais do que obrigatória mas Arouca tem mesmo muito mais para oferecer.

O que visitar e fazer em Arouca:
(por ordem de proximidade ao Cimo da Vinha)

Passadiços do Paiva

Distância ao Cimo da Vinha: 7 km (entrada da Espiunca)

Todo o ano (Primavera e Outono são estações mais amenas e menos concorridas do que o Verão)

Passadiços do Paiva
© foto por jornal Público

O Cimo da Vinha, empreendimento Paivense localizado perto da fronteira com Arouca, na freguesia de Real, fica a pouco mais de 10 minutos da Espiunca, uma das entradas dos Passadiços do Paiva. Desde a sua inauguração em 2015, os Passadiços rapidamente conquistaram os portugueses e se tornaram, igualmente, numa atração Internacional devido ao encanto selvagem dos seus 8km de constante descoberta, com as suas tábuas suspensas a serpentear a margem esquerda e escarpas do Rio Paiva.

Clique aqui para ler o nosso artigo detalhado sobre os Passadiços.

Feira das Colheitas

Distância ao Cimo da Vinha: 9 km

Data: Setembro

© foto por Aquiearouca.pt

Já é tradicional no último fim-de-semana de Setembro o centro Histórico de Arouca se encher de vida e visitantes para celebrar mais uma Feira das Colheitas. Desde 1944 que este certame divulga e disponibiliza as melhores iguarias regionais, artesanato e folclore. Muitos costumes, danças, cantares e trajes foram-se mantendo vivos, ao longo das décadas, pela dinâmica etnográfica que a feira promove.

Clique aqui para ler o nosso artigo detalhado sobre a Feira.

Museus

Distância ao Cimo da Vinha: A 9 km | B 14 km | C 28 km

Todo o ano

Museu de Arte Sacra © foto por CulturaNorte.gov.pt

Para além do Museu Municipal, a vila de Arouca possui um conjunto de museus e centros de estudo de inegável interesse. A) Mosteiro e Museu de Arte Sacra: no centro Histórico de Arouca, o deslumbrante mosteiro com origens no século X, onde viveu D. Mafalda Sanches de Portugal (efémera rainha de Castela), está ligado ao Museu de Arte Sacra que detém um riquíssimo espólio com pintura, escultura, ourivesaria, mobiliário e diversos objetos religiosos. B) Museu das Trilobites: os vários fósseis aqui expostos contam a história do nosso planeta, incluindo algumas das maiores trilobites do mundo recolhidas em ardósias da área envolvente onde em tempos (há 465 milhões de anos) existia um mar austral. C) Casa das Pedras Parideiras: este Centro de Interpretação pretende dar resposta, através da ciência e investigação, ao enigma por detrás destas rochas, a que o povo chama de “parideiras”, que são um fenómeno único.

Aldeias Tradicionais

Distância ao Cimo da Vinha: A 20 km | B 27 km | C 28 km | D 30 km | E 45 km

Todo o ano

aldeia Drave
Drave © foto em Wikipedia

Isoladas pela serra ou na margem do rio, o vasto território Arouquense guarda antigas aldeias que quase parecem imunes à passagem do tempo. Algumas das nossas favoritas. A) Paradinha: na margem do rio Paiva, esta encantadora e bem tratada aldeia com caminhos recuperados a ligar todas as casas de xisto e ardósia tem uma atmosfera de verdadeira fábula, com a capela em plano de destaque. Em Agosto costuma receber concertos de música erudita, o Sons da Água. B) Rio de Frades: Especula-se que esta povoação foi fundada por frades Jesuítas que durante a época Pombalina aí procuram refúgio aquando da extinção de diversas ordens religiosas. Durante a Segunda Guerra Mundial os Alemães transformaram esta zona numa operação industrial de extração de volfrâmio sendo que um dos túneis dessas minas abandonadas é agora uma rota de passagem que liga a floresta a uma entrada mágica para uma série de espetaculares quedas de água. C) Cabreiros: Embora oculta na serra, esta aldeia tem um forte legado Histórico com ligações à Ordem de Malta e parte do mapa da corrida ao “ouro negro”, durante a Segunda Guerra Mundial. D) Meitriz: Circundada de forma graciosa pelo rio Paiva, entre as serras de Montemuro e Arada esta será, porventura, a aldeia que há mais tempo cativa a imaginação dos visitantes ao interior Arouquense pela sua enorme beleza Natural. E) Drave: esta aldeia isolada e desabitada tem uma imagem única, como que saída de um filme de fantasia devido aos campos que, cruzados pela ribeira, estão meticulosamente pastados e calcados pelos rebanhos. Sem fácil acesso, para lá chegar é necessário caminhar por um trilho de 4km que parte de Regoufe, onde também pode visitar as abandonadas minas de volfrâmio.

Serra da Freita

Distância ao Cimo da Vinha: Frecha da Mizarela 27 km

Todo o ano

Frecha da Mizarela
© foto por VidaAtiva.pt

Do alto do seu esplendor de 1100 metros, a Serra da Freita fascina visitantes com o seu manto belo de vegetação, aldeias perdidas no tempo e os segredos que esconde sendo que 17 dos geosítios do Arouca Geopark lá se encontram. Destacamos aqui um local de tirar o fôlego, a Frecha da Mizarela, uma cascata vertiginosa em pleno rochedo granítico, a uma altitude de mais de 900 metros, com uma altura de 75 metros alimentada pelo rio Caima, sendo uma das mais altas da Europa.

Arouca Geopark

Distância ao Cimo da Vinha: vários locais

Todo o ano

Arouca Geopark
© foto por Arouca Geopark

Com uma incrível extensão de 328 km2 e criado em 2009, este geoparque incluído na rede UNESCO foi o segundo a existir em Portugal. Pelo seu riquíssimo património geológico estão mapeados 41 geosítios de enorme interesse, incluindo Icnofósseis, Pedras Parideiras e Trilobites Gigantes. Do geoparque também fazem parte locais basilares como os Passadiços do Paiva, o Mosteiro de Santa Maria de Arouca ou o Museu das Trilobites.

Gastronomia

Distância ao Cimo da Vinha: vários locais

Todo o ano

Doces Conventuais de Arouca
© foto por DocesDeArouca.pt

Neste capítulo, em Arouca, pode-se começar pelo fim devido à enorme notoriedade da sua doçaria conventual. Herança dos tempos em que as freiras ainda habitavam o Mosteiro não poderá resistir às castanhas doces, barrigas de freira, charutos de amêndoa ou morcelas doces. As vacas de raça Arouquesa são criadas em liberdade e pastam livremente pela serra o que confere um sabor ímpar à sua carne tenra. Vitela ou os famosos bifes de Alvarenga são iguarias obrigatórias, assim como o igualmente delicioso cabrito da Gralheira, no forno a lenha. Tudo acompanhado com um bom Vinho Verde da região.

Rios e Desportos de Aventura

Distância ao Cimo da Vinha: vários locais

Todo o ano

Rafting no Rio Paiva
© foto por Odisseias.com

Brindada com uma geografia extremamente generosa, Arouca possui uma panóplia de rios com características ótimas para a prática de diversos desportos de aventura. O rio Paiva, nos seus troços de águas bravas, é um destino Internacional para a prática de Rafting e Caiaque, sendo que esta segunda modalidade, a solo, também pode ser praticada nos rios Paivô e Frades. Modalidade mais multifacetada, o Canyoning permite nadar, saltar, escorregar e trepar em rapel pelos rios e seus acidentados desfiladeiros e cascatas, havendo 9 circuitos em Arouca. Fora de água, o BTT e a Escalada são os reis da montanha.

 foto de capa © Agroportal.pt